Total de visualizações de página

domingo, 28 de janeiro de 2018

Cientificismo e Iluminismo

Cientificismo e Iluminismo






1) Cientificismo (grande impulso a partir do séc. XVII)

Ø  Fatores que levaram ao desenvolvimento científico
·         O movimento renascentista ajudou a romper a visão medieval, controlada pela religião, surgindo uma tendência do predomínio da visão racionalista do mundo com uma sociedade cada vez mais burguesa.
·         A contribuição de filósofos e estudiosos da Antigüidade como Hipócrates e Galeano, médicos gregos.
·         O desenvolvimento do espírito de observação e livre interpretação, que conduziu a novos métodos para pesquisas e experiências.
·         Invenção de instrumentos como o telescópio, microscópio, termômetro, etc. para o desenvolvimento. das pesquisas
Ø  Contribuições ao cientificismo
·         Descartes (França) – no Discurso Sobre o Método, definiu o método matemático; criou a geometria analítica
·         Francis Bacon (Inglaterra) – na obra Novum Organum, formulou as regras do método de observação e experimentação
·         Pascal (França) – lançou base para os cálculos de probabilidades; demonstrou com Torricelli a existência da pressão atmosférica.
·         Harvey (Inglaterra) – com a dissecação de cadáver, descobriu a grande circulação do sangue
·         Isaac Newton (Inglaterra) – lei da atração e gravitação universal
·         Galileu Galiei – Italiano, filho de músico, mexeu na teoria geocêntrica de Ptolomeu. Alegou que a terra girava em torno do sol, porém recuou diante do tribunal da inquisição em nome de continuar suas pesquisas. Aperfeiçoou a luneta, um invento holandês e fez descobertas como as montanhas da lua e as manchas solares;.
·         Kepler – formulou leis de movimentos dos planetas, descobrindo que era elíptica.
Ø  Conseqüências
·         Rompeu com a visão da imobilidade do universo, levando a compreensão cada vez maior do homem e da natureza.
·         Diminui cada vez mais os poderes culturais da igreja, contestando as suas explicações religiosas.

2) Iluminismo (auge no século XVIII)

Ø  O que foi o Iluminismo?
·         Movimento de renovação intelectual que se baseava na matéria e na consciência. A consciência ou razão humana era considerado única fonte de conhecimento. Foi a ideologia da classe burguesa, em ascensão na Europa.
·         Os racionalistas criticavam a fé como fonte de conhecimento, e viam a religião e a igreja como instrumento de ignorância e tirania. A igreja era criticada pela sua intolerância, ambição política e inutilidade das ordens monásticas.
Ø  Características do movimento
·         Apóia a explicação baseada na matéria (o universo é composto de matéria e o seu movimento tem origem própria, resultante de leis naturais, matérias as quais excitam os sentidos humanos) contra as respostas idealistas-religiosas.
·         A razão humana era guia do conhecimento e ação do homem,  e tido como forma autêntica para a compreensão da vida em sociedade e da natureza. Assim como há leis que regulam a natureza, há as que regulam as relações entre os homens.
·         Até a crença foi racionalizada entre os deístas, que viam Deus presente em toda natureza, e no coração do homem que poderia descobri-lo através da razão.
Ø  Formas de difusão das idéias
·         A Enciclopédia das Ciências..– dirigida por Diderot e D’Alambert, foi uma tentativa de sistematizar o conhecimento disponível. Teve contribuições de Voltaire e Rousseau. Considerado uma obra iluminista, ajudou a difundir estas idéias.
·         Reuniões em clubes, cafés e principalmente nos salões literários.
·         Surgiram também as “sociedades de pensamentos” como a franco-maçonaria, que na Idade Média era corporação que congregava pedreiros livres denominadas lojas maçônicas. A Maçonaria era secreta porque discutiam ideias que questionavam o poder do rei absolutista. Havia sempre o risco de prisões e condenações. Não aceitavam mulheres porque, como sociedade machista, as acusava de serem “fofoqueiras”.
Ø  A religião
·         Apesar de criticarem a Igreja e as explicações religiosas para as coisas do mundo, a grande maioria dos filósofos iluministas não era ateu. Acreditavam em Deus, mas não na intervenção divina no mundo. Eram deístas, “viam” Deus na sua obra na Terra, ou seja, tudo que havia na natureza tinha, de certa forma, presença divina. Não acreditavam que Deus operasse milagres (intervenção divina), pois isto seria uma forma dos religiosos, através de sua intermediação, explorassem os féis.  
Ø  A filosofia e seus filósofos
*        John Locke
·         Tratado sobre o governo (1687) – apresentou um ideal de governo parlamentarista com plenas garantias de liberdade individual. É considerado também o pai do liberalismo político.
*        Montesquieu
·         O Espírito das Leis (1748) – dava destaque à monarquia parlamentar inglesa e defendia a independência entre os três poderes – Executivo, Legislativo e Judiciário – como forma de garantir a liberdade.
*        Voltaire
·         Criticava o absolutismo, a servidão e a igreja, sendo a favor da tolerância religiosa e liberdade de imprensa. Era contra revolução social e a favor de ascensão de um soberano esclarecido para promover as mudanças na sociedade.
*        Jean Jacques Russeu
·         Da origem da desigualdade (1755) – O homem nasce bom, mas a civilização o corrompe. A propriedade privada era um mal necessário, portanto deveria ser limitada.
·         O contrato social – defende o ideal democrático de que o soberano deve ser a vontade geral, ou seja, o próprio povo.
Ø  Escola Econômica Liberal
*        A Escola Fisiocrática
·         Principal autor: Quesny (obra Quadro Econômico) – A fonte de riqueza vem da terra, pois o trabalho agrícola é o único que produz excedente. Gounay defendia a liberdade de comércio e indústria (Laissez-faire, Laissez-passer).
*        O Liberalismo de Adam Smith
·         Obra A riqueza das Nações (1765)– A fonte de riqueza vem do trabalho em geral e não apenas do trabalho agrícola.
·         Para Smith e David Ricardo, a economia deveria guiar-se por si mesma, por leis naturais – lei da oferta e da procura.

3) Despotismo Esclarecido

Ø  Relação do despotismo com o iluminismo
·         O déspota queria modernizar e desenvolver economicamente seus Estados utilizando os princípios iluministas. Utilizaram as idéias de Voltaire para que as mudanças não gerassem uma revolução social e comprometesse o seu poder absoluto.
Ø  Ligação com o mercantilismo
·         Para obterem recursos para a modernização do Estado, criavam cia privilegiada de comércio, protegiam os seus mercados e arrochavam o pacto colonial.
Ø  Países e reformas executadas por déspotas esclarecidos
*        Prússia
·         Frederico IISe declarava 1° dos servidores do Estado; aboliu tortura dos acusados; fundou escolas elementares; tolerância religiosa; procurou desenvolver indústria e agricultura; relações servis acabaram impedindo desenvolvimento expressivo da burguesia.
*        Rússia
·         Catarina II – Permitiu tolerância religiosa; colocou os bens da igreja sob controle do estado; criou código de leis baseadas no iluminismo; a servidão foi agravada.
*        Áustria
·         D. José II – fortaleceu poder central para desenvolver manufaturas; emancipou servos; desenvolveu a educação elementar; obrigou nobres a pagar impostos; terras da igreja passou para o Estado; deu liberdade de culto.
*        Portugal
·         Marques de Pombal (min. de D. José I) – tirou a educação do controle da igreja; criou cia privilegiada de comércio com monopólios nas colônias; estimulou a agricultura; combateu a corrupção e os privilégios da nobreza e do clero.
*        Espanha
Aranda ( Ministro de Carlos III) - liberou o comércio interno; incentivou a indústria interna (luxo e tecidos de algodão); dinamizou a administração com a criação dos intendentes, que fortaleceu o poder do rei.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.